domingo, março 29, 2009


From Wikipedia, the free encyclopedia

A concept (abstract term: "conception") is a cognitive unit of meaning— an abstract idea or a mental symbol sometimes defined as a "unit of knowledge," built from other units which act as a concept's characteristics. A concept is typically associated with a corresponding representation in a language or symbology[citation needed] such as a word.

The meaning of "concept" is explored in mainstream cognitive science and philosophy of mind. The term "concept" is traced back to 1554–60 (l. conceptum - something conceived)[citation needed], but what is today termed "the classical theory of concepts" is the theory of Aristotle on the definition of terms.[citation needed]



[edit] Origin and acquisition of concepts

[edit] A posteriori abstractions

John Locke's description of a general idea corresponds to a description of a concept. According to Locke, a general idea is created by abstracting, drawing away, or removing the common characteristic or characteristics from several particular ideas. This common characteristic is that which is similar to all of the different individuals. For example, the abstract general idea or concept that is designated by the word "red" is that characteristic which is common to apples, cherries, and blood. The abstract general idea or concept that is signified by the word "dog" is the collection of those characteristics which are common to Airedales, Collies, and Chihuahuas.

In the same tradition as Locke, John Stuart Mill stated that general conceptions are formed through abstraction. A general conception is the common element among the many images of members of a class. "… [W]hen we form a set of phenomena into a class, that is, when we compare them with one another to ascertain in what they agree, some general conception is implied in this mental operation" (A System of Logic, Book IV, Ch. II). Mill did not believe that concepts exist in the mind before the act of abstraction. "It is not a law of our intellect, that, in comparing things with each other and taking note of their agreement, we merely recognize as realised in the outward world something that we already had in our minds. The conception originally found its way to us as the result of such a comparison. It was obtained (in metaphysical phrase) by abstraction from individual things" (Ibid.).

For Schopenhauer, empirical concepts "… are mere abstractions from what is known through intuitive perception, and they have arisen from our arbitrarily thinking away or dropping of some qualities and our retention of others." (Parerga and Paralipomena, Vol. I, "Sketch of a History of the Ideal and the Real"). In his On the Will in Nature, "Physiology and Pathology," Schopenhauer said that a concept is "drawn off from previous images … by putting off their differences. This concept is then no longer intuitively perceptible, but is denoted and fixed merely by words." Nietzsche, who was heavily influenced by Schopenhauer, wrote: "Every concept originates through our equating what is unequal. No leaf ever wholly equals another, and the concept 'leaf' is formed through an arbitrary abstraction from these individual differences, through forgetting the distinctions … ."[1]

By contrast to the above philosophers, Immanuel Kant held that the account of the concept as an abstraction of experience is only partly correct. He called those concepts that result of abstraction "a posteriori concepts" (meaning concepts that arise out of experience). An empirical or an a posteriori concept is a general representation (Vorstellung) or non-specific thought of that which is common to several specific perceived objects. (Logic, I, 1., §1, Note 1)

A concept is a common feature or characteristic. Kant investigated the way that empirical a posteriori concepts are created.

The logical acts of the understanding by which concepts are generated as to their form are: (1.) comparison, i.e., the likening of mental images to one another in relation to the unity of consciousness; (2.) reflection, i.e., the going back over different mental images, how they can be comprehended in one consciousness; and finally (3.) abstraction or the segregation of everything else by which the mental images differ. … In order to make our mental images into concepts, one must thus be able to compare, reflect, and abstract, for these three logical operations of the understanding are essential and general conditions of generating any concept whatever. For example, I see a fir, a willow, and a linden. In firstly comparing these objects, I notice that they are different from one another in respect of trunk, branches, leaves, and the like; further, however, I reflect only on what they have in common, the trunk, the branches, the leaves themselves, and abstract from their size, shape, and so forth; thus I gain a concept of a tree.

Logic, §6

Kant's description of the making of a concept has been paraphrased as "… to conceive is essentially to think in abstraction what is common to a plurality of possible instances … ." (H.J. Paton, Kant's Metaphysics of Experience, I, 250). In his discussion of Kant, Christopher Janaway wrote: "… generic concepts are formed by abstraction from more than one species."[2]

[edit] A priori concepts

Main article: Category (Kant)

Kant declared that human minds possess pure or a priori concepts. Instead of being abstracted from individual perceptions, like empirical concepts, they originate in the mind itself. He called these concepts categories, in the sense of the word that means predicate, attribute, characteristic, or quality. But these pure categories are predicates of things in general, not of a particular thing. According to Kant, there are 12 categories that constitute the understanding of phenomenal objects. Each category is that one predicate which is common to multiple empirical concepts. In order to explain how an a priori concept can relate to individual phenomena, in a manner analogous to an a posteriori concept, Kant employed the technical concept of the schema.

[edit] Conceptual structure

This section requires expansion.

It seems intuitively obvious that concepts must have some kind of structure. Up until recently, the dominant view of conceptual structure was a containment model, associated with the classical view of concepts. According to this model, a concept is endowed with certain necessary and sufficient conditions in their description which unequivocally determine an extension. The containment model allows for no degrees; a thing is either in, or out, of the concept's extension. By contrast, the inferential model understands conceptual structure to be determined in a graded manner, according to the tendency of the concept to be used in certain kinds of inferences. As a result, concepts do not have a kind of structure that is in terms of necessary and sufficient conditions; all conditions are contingent. (Margolis:5)

However, some theorists claim that primitive concepts lack any structure at all. For instance, Jerry Fodor presents his Asymmetric Dependence Theory as a way of showing how a primitive concept's content is determined by a reliable relationship between the information in mental contents and the world. These sorts of claims are referred to as "atomistic", because the primitive concept is treated as if it were a genuine atom.

[edit] Conceptual content

This section requires expansion.

[edit] Content as pragmatic role

A concept may be abstracted from several perceptions, but that is only its origin. In regard to its meaning or its truth, William James proposed his Pragmatic Rule. This rule states that the meaning of a concept may always be found in some particular difference in the course of human experience which its being true will make (Some Problems of Philosophy, "Percept and Concept — The Import of Concepts"). In order to understand the meaning of the concept and to discuss its importance, a concept may be tested by asking, "What sensible difference to anybody will its truth make?" There is only one criterion of a concept's meaning and only one test of its truth. That criterion or test is its consequences for human behavior.

In this way, James bypassed the controversy between rationalists and empiricists regarding the origin of concepts. Instead of solving their dispute, he ignored it. The rationalists had asserted that concepts are a revelation of Reason. Concepts are a glimpse of a different world, one which contains timeless truths in areas such as logic, mathematics, ethics, and aesthetics. By pure thought, humans can discover the relations that really exist among the parts of that divine world. On the other hand, the empiricists claimed that concepts were merely a distillation or abstraction from perceptions of the world of experience. Therefore, the significance of concepts depends solely on the perceptions that are its references. James's Pragmatic Rule does not connect the meaning of a concept with its origin. Instead, it relates the meaning to a concept's purpose, that is, its function, use, or result.

[edit] Embodied content

In Cognitive linguistics, abstract concepts are transformations of concrete concepts derived from embodied experience. The mechanism of transformation is structural mapping, in which properties of two or more source domains are selectively mapped onto a blended space (Fauconnier & Turner, 1995; see conceptual blending). A common class of blends are metaphors. This theory contrasts with the rationalist view that concepts are perceptions (or recollections, in Plato's term) of an independently existing world of ideas, in that it denies the existence of any such realm. It also contrasts with the empiricist view that concepts are abstract generalizations of individual experiences, because the contingent and bodily experience is preserved in a concept, and not abstracted away. While the perspective is compatible with Jamesian pragmatism (above), the notion of the transformation of embodied concepts through structural mapping makes a distinct contribution to the problem of concept formation.

[edit] Philosophical implications

[edit] Concepts and metaphilosophy

A long and well-established tradition in philosophy posits that philosophy itself is nothing more than conceptual analysis. This view has its proponents in contemporary literature as well as historical. According to Deleuze and Guattari's What Is Philosophy? (1991), philosophy is the activity of creating concepts. This creative activity differs from previous definitions of philosophy as simple reasoning, communication or contemplation of Universals. Concepts are specific to philosophy: science has "percepts", and art "affects". A concept is always signed: thus, Descartes' Cogito or Kant's "transcendental". It is a singularity, not universal, and connects itself with others concepts, on a "plane of immanence" traced by a particular philosophy. Concepts can jump from one plane of immanence to another, combining with other concepts and therefore engaging in a "becoming-Other."

[edit] Concepts in epistemology

For more details on this topic, see List of concepts in science.

Concepts are vital to the development of scientific knowledge. For example, it would be difficult to imagine physics without concepts like: energy, force, or acceleration. Concepts help to integrate apparently unrelated observations and phenomena into viable hypothesis and theories, the basic ingredients of science. The concept map is a tool that is used to help researchers visualize the inter-relationships between various concepts.

[edit] Ontology of concepts

Although the mainstream literature in cognitive science regards the concept as a kind of mental particular, it has been suggested by some theorists that concepts are real things. (Margolis:8) In most radical form, the realist about concepts attempts to show that the supposedly mental processes are not mental at all; rather, they are abstract entities, which are just as real as any mundane object.

Plato was the starkest proponent of the realist thesis of universal concepts. By his view, concepts (and ideas in general) are innate ideas that were instantiations of a transcendental world of pure forms that laid behind the veil of the physical world. In this way, universals were explained as transcendent objects. Needless to say this form of realism was tied deeply with Plato's ontological projects. This remark on Plato is not of merely historical interest. For example, the view that numbers are Platonic objects was revived by Kurt Gödel as a result of certain puzzles that he took to arise from the phenomenological accounts.

Gottlob Frege, founder of the analytic tradition in philosophy, famously argued for the analysis of language in terms of sense and reference. For him, the sense of an expression in language describes a certain state of affairs in the world, namely, the way that some object is presented. Since many commentators view the notion of sense as identical to the notion of concept, and Frege regards senses as the linguistic representations of states of affairs in the world, it seems to follow that we may understand concepts as the manner in which we grasp the world. Accordingly, concepts (as senses) have an ontological status. (Morgolis:7)

According to Carl Benjamin Boyer, in the introduction to his The History of the Calculus and its Conceptual Development, concepts in calculus do not refer to perceptions. As long as the concepts are useful and mutually compatible, they are accepted on their own. For example, the concepts of the derivative and the integral are not considered to refer to spatial or temporal perceptions of the external world of experience. Neither are they related in any way to mysterious limits in which quantities are on the verge of nascence or evanescence, that is, coming into or going out of appearance or existence. The abstract concepts are now considered to be totally autonomous, even though they originated from the process of abstracting or taking away qualities from perceptions until only the common, essential attributes remained.

[edit] See also

[edit] References

  1. ^ "On Truth and Lie in an Extra–Moral Sense," The Portable Nietzsche, p. 46
  2. ^ Christopher Janaway, Self and World in Schopenhauer's Philosophy, Ch. 3, p. 112, Oxford, 2003, ISBN 0-19-825003-7

This article is missing citations or needs footnotes. Please help add inline citations to guard against copyright violations and factual inaccuracies. (December 2006)

A concept is a system of general ideas targeting the multilateral treatment/interpretation of economic, social, legal, scientific, technical and other problems, and reflecting the manner of perception or the multitude of opinions, ideas regarding problems associated with to the development of one or several fields or sectors as a whole

[edit] Publications

[edit] External links

Look up concept in
Wiktionary, the free dictionary.

Retrieved from ""

Categories: Logic | Semantics | Philosophical terminology | Units of information (cognitive processes) | Thought | Abstraction


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa

Um meme, termo cunhado em 1976 por Richard Dawkins no seu bestseller controverso O Gene Egoísta, é para a memória o análogo do gene na genética, a sua unidade mínima. É considerado como uma unidade de informação que se multiplica de cérebro em cérebro, ou entre locais onde a informação é armazenada (como livros) e outros locais de armazenamento ou cérebros. No que diz respeito à sua funcionalidade, o meme é considerado uma unidade de evolução cultural que pode de alguma forma autopropagar-se. Os memes podem ser idéias ou partes de idéias, línguas, sons, desenhos, capacidades, valores estéticos e morais, ou qualquer outra coisa que possa ser aprendida facilmente e transmitida enquanto unidade autónoma. O estudo dos modelos evolutivos da transferência de informação é conhecido como memética.

Quando usado num contexto coloquial e não especializado, o termo meme pode significar apenas a transmissão de informação de uma mente para outra. Este uso aproxima o termo da analogia da "linguagem como vírus", afastando-o do propósito original de Dawkins, que procurava definir os memes como replicadores de comportamentos.

Ainda que tal possa surpreender alguns defensores da memética, conceitos similares ao de meme antecedem em muito a proposta de Dawkins, ocorrendo por exemplo no ensino Sufi, segundo o qual os Muwakkals são considerados como entes autónomos e elementares que constroem o pensamento humano.

«A chave de todo ser humano é seu pensamento. Resistente e desafiante aos olhares, tem oculto um estandarte que obedece, que é a idéia ante a qual todos seus fatos são interpretados. O ser humano pode somente ser reformado mostrando-lhe uma idéia nova que supere a antiga e traga comandos próprios.»

(Ralph Waldo Emerson)

Veja Memetic lexicon para uma revisão de palavras usadas em memética.



[editar] Evolução memética

A evolução memética, tal como o seu equivalente genético, pressupõe a possiblidade de mutações e de um mecanismo darwiniano de selecção natural para que possa ter lugar. As mutações são o factor responsável pela emergência de variações essenciais; as que são mais eficazes ao em replicar-se tornam-se, por definição, mais comuns, possuindo uma maior probabilidade de continuarem a replicar-se. No entanto, diferentemente da evolução genética, a evolução memética não se sustenta em algo exterior, análogo ao genótipo. Se um roedor perde a sua cauda, ou um fisiculturista levanta pesos, por exemplo, a informação no ADN do seu genótipo permanecerá a mesma, e quando se replicar não irá passar essas características adquiridas. Na memética, por outro lado, o fenótipo coincide com o genótipo e dessa forma as mudanças no último são transmitidas quando for replicado.

Dessa forma, a memética pode ser vista como Lamarckiana, o que possui a sua dose de ironia, já que consideráveis esforços e debates vieram a provar que a evolução genética não era. Não é contudo esta a perspectiva original de Dawkins, que se assume como um neodarwiniano, e que portanto nega a possibilidade de transmissão de características adquiridas nos memes tanto quanto nos genes, explicando o que superficialmente pode ser uma replicação de tipo lamarckiano como resultado de mutações.

É de admitir que as mutações dos memes (e o seu diferencial reprodutivo) tenham conduzido a linguagem a uma evolução cultural que, começando com umas poucas sílabas primitivas, a permitiu tornar-se hoje uma profusão de idiomas e dialectos, já para não mencionar as várias possibilidades de variação simbólica no interior de cada dialecto. O mesmo raciocínio pode ser aplicado aos sistemas de linguagem: a escrita, o Braille, as linguagens de sinais como a gestual, etc. Para tomar um exemplo recente, o frequentemente citado meme "All your base are belong to us" produziu variações como "all your vote are belong to us", enquanto outras falas do diálogo do videojogo que esteve na origem deste meme, caso de "Someone set us up the bomb", ainda que também replicadas pela Internet, obtiveram menor sucesso. O número de resultados de um questionário efectuado aos Sistemas de busca da Internet podem, até certo ponto, servir como medida imperfeita da popularidade de várias expressões meméticas.

[editar] A cultura evolui ?

Dawkins observou que as culturas podem evoluir de modo muito similar ao das populações de um organismo. Entre as gerações podem ser passadas idéias que podem aumentar ou diminuir a sobrevivência dos indivíduos que as obtêm e usam. A esse processo vem associado um mecanismo de selecção das idéias que continuarão a ser passadas às gerações futuras. Por exemplo, cada cultura pode possuir métodos e designs únicos para a construção de determinadas ferramentas, mas a que possua métodos mais eficazes - assumindo que todas as outras variáveis se conservam inalteradas - irá provavelmente prosperar sobre as outras culturas. Isso leva a que prospere a adopção desses métodos, que serão usados por uma fracção maior da população com o passar do tempo. Cada design de ferramenta funciona então da mesma forma que um gene biológico (que pode existir nalgumas populações mas não noutras): a presença desse mesmo design nas gerações futuras é directamente afectada pela sua eficácia enquanto meme.

Uma característica chave do meme é que ele é propagado por imitação, conceito proposto pelo sociólogo francês Gabriel Tarde. Quando a imitação surgiu evolutivamente nos humanos, isso veio a revelar-se um bom "truque", pois aumentava a capacidade individual de se reproduzir geneticamente. Talvez a seleção sexual dos melhores imitadores tenha levado a um aumento genético na capacidade dos cérebros para imitar. "Imitar" aqui significa basicamente levar informação do ambiente até ao cérebro por algum órgão sensorial. O elemento ambiental pode ser inanimado (como é o caso dos livros), mas, mais tipicamente, é um outro humano a partir de quem a informação de um certo comportamento é obtida e posteriormente praticada. As fontes inanimadas de informação são designadas pelo termo "sistemas retentores". Uma vez que os memes se progagam de um indivíduo a outro por imitação, não podem existir sem cérebros que sejam suficentemente potentes para analisar os aspectos relevantes dos comportamentos a serem imitados (o que deve ser copiado e por que razão deve sê-lo) bem como seus benefícios potenciais. Os memes (ou comportamentos adquiridos e propagados por imitação) apenas podem ser observados num reduzido número de espécies terrestres, caso dos hominídeos, dos golfinhos, e de aves que aprendem a cantar por imitação dos seus progenitores. Pode no entanto ser alegado que existem memes menos complexos noutras espécies - por exemplo, comportamentos imitativos artificialmente induzidos em cefalópodes e ratos.

Uma outra característica que os memes partilham com os genes é o facto de sobreviverem para além dos indivíduos que os transportam. Um gene bem sucedido (como é o caso dos genes para dentes fortes numa população de leões) pode conservar-se sem mutações no conjunto de genes de uma população por centenas de milhares de anos. Da mesma forma, um meme bem sucedido pode propagar-se de indivíduo para indivíduo para muito além do momento em que teve origem.

[editar] Analogias biológicas

Assim como o conceito de egoísmo genético pode ser usado como auxiliar para uma melhor compreensão do modo como funciona a evolução biológica, o conceito de meme pode ser igualmente usado para compreender alguns aspectos da cultura humana (bem como comportamentos aprendidos de outros animais) que de outra forma careceriam de uma explicação suficientemente adequada. Em qualquer dos casos, se esta "explicação adequada" não for sustentada por testes empíricos, permanecerá a discussão em torno da cientificidade do conceito. A memética pode então ser considerada como uma ciência ainda na sua infância, uma protociência, ainda que muitos críticos do conceito a considerem tão-só uma pseudociência. Em todo o caso, muitas destas acusações podem provir duma interpretação literal da expressão "gene (ou meme) egoísta", que Dawkins sublinha que deve ser tomada como mera metáfora: um meme, assim como um gene, não faz ou deseja qualquer coisa intencionalmente. Simplesmente é (ou não) replicado, e isto de forma passiva.

[editar] Evolução dos memes

Para que ocorra a evolução, não basta a existência de mecanismos de hereditariedade e de seleção natural; é igualmente necessária a possibilidade de mutação, propriedade que também é atribuída aos memes. As idéias que são transmitidas de cérebro em cérebro podem sofrer modificações que se acumulam ao longo do tempo. Essas modificações no "fenótipo" (a informação nos cérebros ou sistemas retentores) são então transmitidas sob uma nova forma. Por outras palavras, de modo algo distinto da evolução genética, pode alegar-se que se propagam de forma tanto Darwiniana quanto "Lamarckiana", pelo menos no sentido popular do último termo. Por exemplo, os contos populares e mitos são frequentemente adornados quando recontados com o objectivo de serem mais bem recordados --- aumentando dessa forma a probabilidade de serem recontados. Ilustrações mais contemporâneas podem ser encontradas nas várias lendas ou mitos urbanos e trotes (ou hoaxes) que circulam na internet, de que são exemplo os falsos avisos de vírus como o "goodtimes virus".

Contrariamente à história dos genes, que sofrem mutações aleatórias, as mutações nos memes geralmente são intencionais. São "pessoas" que alteram os contos na intenção de melhorá-los ou de que eles sejam recontados, apresentando ou não sucesso. Um outro exemplo bem oportuno: o leitor deste artigo graças ao "wiki-software" é encorajado a alterá-lo e melhorá-lo. Se esta "mutação" melhorar o texto na opinião dos leitores, ele continuará publicado nesta enciclopédia. Caso contrário ele será modificado ou eliminado.

Um outro aspecto da evolução dos memes é que pode-se criar um mecanismo que facilite o processo de mutação, como no exemplo descrito acima. Iniciativas como proteção de copyright e mecanismos de bloqueio de alterações nao facilitam a evolucao dos memes.

[editar] Forças evolutivas que afetam os memes

O sucesso de um gene ou de um meme é determinado apenas pelo número de cópias existentes (e por onde essas cópias residem). Há uma forte correlação entre genes bem sucedidos e genes que têm um efeito positivo no organismo que contém esses genes. Voltando a atenção para o caso dos memes que normalmente são interpretados como alegações de factos, pode postular-se uma correlação análoga entre os memes bem sucedidos e os que são verdadeiros. Similarmente, haverá uma correlação entre memes de natureza tecnológica ou económica bem sucedidos e aqueles que têm um efeito positivo na economia. No entanto, este não é o único factor a ter em conta: há genes e memes cujo sucesso se deve a outros factores e cujo efeito pode inclusive ser negativo.

O sucesso de um gene num corpo pode dever-se à sua capacidade de esquivar-se da loteria sexual, tendo para tal de estar presente em mais do que 50% dos zigotos de um organismo. Outros genes são selecionados positivamente pela via sexual. Assim, a evolução dos genes é influenciada por vários factores que não exclusivamente o sucesso da espécie como um todo. Similarmente, as pressões evolutivas nos memes não são apenas a verdade e o sucesso econômico. Entre estas outras incluem-se:

  1. Experiência: Se um meme não apresenta uma correlação com o universo de experiência de um indivíduo, então será menos provável que este acredite nesse meme.
  2. Felicidade: Se um meme faz com que um indivíduo se sinta mais feliz, então será mais provável que acredite nele (ex.: a idéia de que se será recompensando depois da morte pelos actos cometidos em vida --- "faça isso assim e irá para o paraíso depois da morte").
  3. Medo: Se um meme constitui uma ameaça, os indivíduos podem ser levados a crer nele pelo medo. (é o exemplo oposto ao anterior: "se você fizer alguma coisa ou não fizer outras, irá arder eternamente no inferno).
  4. Economia: Se um meme tende a ser portado por pessoas ou organizações que têm influência econômica, então o meme provavelmente beneficiará uma maior audiência. Se um meme tende a aumentar as riquezas de um indivíduo portador, provavelmente irá disseminar-se pela mesma razão. Entre os memes deste tipo incluem-se idéias tão simples quanto a de que "o trabalho duro é bom" e "as coisas mais importantes devem vir em primeiro lugar".
  5. Censura: se uma grande e poderosa organização penaliza pessoas que expressam a crença nalgum meme em particular ou queimam livros que contenham esse meme, então ele será colocado numa situação de desvantagem seletiva. (A este propósito, deve contudo notar-se que existe o meme "é errado censurar". Seria interessante especular se esse meme teria prosperado pelo aumento da riqueza de algumas nações que o aplicaram, dessa forma aumentando a influência do meme em si).
  6. Conformidade e inovação: os memes, de forma um pouco diferente dos genes (mas não muito diferente dos genes presentes em vírus), podem aumentar em freqüência simplesmente por serem populares. É o caso do apego ao tradicional e do repúdio ao novo - algo que se relaciona com um outro factor de seleção, a felicidade relativa que decorre do nível de aceitação social. Noutros casos, mais notoriamente na moda e em várias formas de arte memes podem tornar-se populares pela razão oposta, isto é, por serem incomuns ou inovadores. Pode neste caso haver uma relação mais ou menos directa com o mecanismo de seleção sexual.

[editar] Troca de vírus meméticos?

Uma controversa aplicação desse paralelo "egoísmo memético" é a idéia de que certos grupos de memes podem agir como "vírus meméticos": conjuntos de idéias que comportam-se como formas de vida independentes, e continuam a ser transmitidos mesmo que à custa dos seus hospedeiros simplesmente porque eles são bons em se fazerem ser transmitidos. Foi sugerido que as religiões e os cultos comportam-se dessa maneira; por incluir o ato de transmitir suas crenças como uma virtude moral, outras crenças da religião são passadas juntamente mesmo que elas não sejam particularmente valiosas para o crente.

Outros notam que a larga prevalência da adoção humana de idéias religiosas e defendem que isso prova que elas devem ter algum valor ecológico, sexual, ético ou moral. Por exemplo, a maioria das religiões urge por paz e cooperação entre seus seguidores ("Não matarás"), o que pode tender a promover a sobrevivência biológica de grupos sociais que carregam esses memes. Certamente os defensores das religiões alegam que há esses valores em se seguir suas regras e princípios - mas como isso está relacionado com o que eles sentem ser divino?

Há uma tendência na memética para criticar-se memes religiosos. De qualquer forma, algumas autoridades especulam que as religiões tradicionais agem como sistemas imunológicos mentais para suprimir novos memes que podem ser nocivos. Por exemplo, o cristianismo proibe assassinato e suicídio, suas definições precisas de heresia garantem que novas religiões que advoquem essas ações não podem ser aceitas por pessoas educadas no cristianismo.

Ainda assim, a história nos mostra que não ocorre sempre exatamente isso, e verdadeiros massacres foram feitos com embasamentos religiosos, como guerras santas ou caça às bruxas. Ainda que religiões contenham memes que possam ter seus aspectos positivos, há um considerável grau de plasticidade individual da expressão dos memes, bem como influências de outros memes particulares de diversas localidades ou períodos na expressão de conjuntos de memes como a bíblia ou outros livros religiosos. Isso basicamente resulta nas diferentes interpretações ao longo do tempo, originando novas correntes religiosas a partir de uma base em comum. No decorrer dessa evolução muito do que pode ser considerado positivo pode deixar de ser expresso.

Muito disso está relacionado com os memes propagados pelas religiões que não estão diretamente, logicamente, associados aos valores morais e éticos, associações descartáveis de idéias sobre o sobrenatural como justificativa moral. Esses memes podem evoluir independentemente e influenciar negativamente na expressão dos memes considerados positivos.

[editar] Seleção não-natural

Quão "natural" é esse tipo de seleção? Talvez tão natural quanto a atração sexual ou hábitos éticos. A relação do meme com outras idéias de evolução, como essas que separam fatores ecológicos, sexuais, éticos e morais e não reservam um lugar especial ou separado para a "cultura" além desses, parecem ser "pretendentes do trono" - fingindo explicar essas idéias mais específicas de evolução e cultura, mas sem qualquer modelo para teste. Isso causa a alguns cientistas e outros a desdenharem a cultura como algum tipo de fator na vida humana.

Uma famosa observação desse tipo é a de que Margaret Thatcher, quem diretamente disse "não há essa coisa de sociedade" - evidentemente ela se referia a um conjunto de fatores de sobrevivência, sedução e escolha moral específicos dos indivíduos, casais e famílias e não como uma "cultura" ou "sociedade" unificadas de algum modo.

[editar] Exemplo de isolamento reprodutivo na 'especiação' memética

Na genética populacional tradicional, a variação genética normal, seleção, e deriva não levam a formação de novas espécies sem alguma forma de 'isolamento reprodutivo'; isso é, para dividir uma única espécie em duas, as duas subpopulações da espécie original devem de alguma forma ser impossibilidadas de intercruzar-se, o que iria normalmente manter sua heterogeneidade. No entanto, após separadas, a seleção natural e/ou apenas deriva genética agindo na variação genética normal das duas subespécies irá eventualmente modificar características suficientes entre os dois subgrupos que eles não poderão mais intercruzar-se, o que por definição significa que eles irão compor duas diferentes espécies. Exemplos de isolamento reprodutivo incluem isolamento geográfico, onde o surgimento de uma montanha ou rios separa dois subgrupos; isolamento temporal, onde um subgrupo torna-se totalmente diurno em seus hábitos enquanto o outro torna-se totalmente noturno; ou até mesmo apenas isolamento "comportamental" como visto em lobos e cães domésticos: eles poderiam intercruzar-se, biologicamente falando, mas normalmente eles simplesmente não o fazem.

Um fenômeno similar pode ocorrer com memes; normalmente, a população dos indivíduos portadores de um meme em suas consciências é heterogênea e mistura-se suficientemente para manter o meme intacto, ainda que isso cubra uma grande amplitude de variações. Mas de qualquer forma, se a população divide-se, sem contato suficiente entre os dois subgrupos de variações do meme para equilibrarem-se, eventualmente em cada grupo irá evoluir sua própria versão desse meme, diferindo suficientemente do outro grupo para ser considerado uma entidade distinta.

Um exemplo disso ocorrendo na internet é o meme Kellerman. Uma busca na rede e/ou Usenet pela palavra 'Kellerman' irá resultar num grande número de citações, descrevendo extensivamente o covarde comportamento de um 'Dr. Arthur Kellerman', quem, com a assitência voluntária do centro de controle de doenças e do 'poderoso lobby da saúde pública' fabricou falsos estudos tentando implicar armas de fogo (e por extensão os seus donos) como uma ameaça à segurança pública, para propósitos de controle estatal da população que de outra forma seria frustrado pela segunda emenda da constituição dos Estados Unidos da América, o direito de ter e portar armas. Os autores dessas páginas e postagens descrevem aparentes maquinações, ciência propagandista, o um subseqüente arrependimento do Dr. 'Kellerman', e o uso de seu trabalho por proponentes do controle de armas.

Na realidade, é claro, não há um 'Dr. Arthur Kellerman; , ao menos não em qualquer conexão com a descrição acima. Há, no entanto, um Dr. Arthur Kellermann (com "duplo" n), que de fato publicou vários artigos estimando o impacto geral na saúde pública quanto a disponibilidade de e vários aspectos de armazenamento de armas de fogo, etc, como parte de uma robusta e saudável carreira na saúde pública e medicina de emergência e trauma. Como qualquer série de estudos desse tipo, há pontos fortes e fracos no trabalho de Kellermann que são rigorosamente debatidos tanto na literatura quanto na internet; de qualquer forma, mesmo após eliminar questões de opinão e afirmações que não são 100% sustentados, os fatos restantes facilmente verificáveis das publicações, carreira, os detalhes de cada estudo, etc de Kellermann são virtualmente irreconhecíveis na descriçao do maligno Dr. Kellerman.

O que aconteceu é um exemplo do meme original de Kellermann e seu trabalho sobre ferimentos violentos relacionados à armas tendo generado um novo meme, 'o mentiroso, maligno, anti-armas Dr. Kellerman inimigo da liberdade' por um fenômeno análogo a clássica deleção genética. A subpopulação envolvida era aquela com ações extremamente negativas contra o trabalho de Kellermann bem como uma falta de familiaridade com seus estudos, carreira, etc. Por causa de 'isolamento reprodutivo' devido a total ausência de interseção dos resultados de busca por "Kellerman" de "Kellermann", o meme "Kellerman" derivou ainda mais na direção da negatividade, independentemente da realidade. Como esse grupo encontra novos indivíduos de mentalidade geral similar, eles são introduzidos apenas ao mito 'Kellerman', e vão reproduzí-lo em seus próprios websites e postagens ampliando o rápido progresso desse meme dentro do intervalo da existência da internet.

Esse fenômeno também demonstra duas outras características de memes: o 'complexo de memes': um conjunto de 'co-memes' mutualmente ajudantes que co-evoluiram uma relação simbiótica, e a estratégia de infecção 'Vilão versus Vítima'. (em inglês) [1]

[editar] A forma assumida pelos memes no cérebro

Em 1981 os biologistas Charles J. Lumsden e Edward Osborne Wilson publicaram uma teoria de co-evolução de genes e cultura no livro Genes, Mind, and Culture: The Coevolutionary Process (traduzindo, seria "Genes, mente, e cultura: o processo co-evolutivo"). Eles apontaram que as unidades fundamentais biológicas da cultura devem corresponder a redes neuronais que funcionam como conexões de memória semântica. Wilson depois adotou o termo "meme" como o melhor nome existente para a unidade fundamental de herança cultural e elaborou sobre o papel fundamental dos memes em unificar as ciências naturais e as sociais no seu livro A unidade do conhecimento: consiliência.

[editar] Exemplos de memes

As seguintes declarações são (grosso modo) versões de alguns memes comuns:

  • Tecnologia é o exemplo maior, carros, grampeadores etc. Tecnologia claramente demonstra mutação, a qual também é essencial para o progresso memético (ou genético) ser feito. Existiram muitos desenhos de grampeadores ao longo da história, por exemplo com variáveis graus de longevidade, fecundidade, fidelidade (ie. "sucesso" memético).
  • Jingles, músicas em propagandas politicas e comerciais e slogans
  • Verme de orelha são canções, em especial refrões, que você não consegue parar de cantarolar ou pensar.
  • Piadas; ou melhor, piadas conhecidas por serem engraçadas
  • Proverbios e aforismos (e.g., "Deus ajuda quem cedo madruga")
  • Canção de Ninar; são propagadas por pais para filhos por várias gerações, muitas vezes associada a ações e movimentos específicos.
  • Memes portugueses - por vezes existem frases, interjeições e até mesmo sketches que se massificam numa cultura ou sub-cultura.

[editar] Os memes "sê feliz" e "faça os outros felizes"

Algumas práticas espirituais, por exemplo o Budismo, promovem claramente metas ecológicas e morais reconhecíveis pela maior parte das pessoas. Por exemplo o Nobre Caminho Óctuplo dá importância ao consumo limitado, à redução da crueldade, à não-violência ou participação em sistemas violentos e ao afastamento de processos sexuais e éticos que não tenham um claro interesse ecológico ou moral para o praticante - independentemente do valor que possam ter para os outros.

As religiões judaico-cristãs, da mesma forma, concentram-se principalmente na devoção a uma divindade transcendente e na adopção de normas morais para o comportamento, incluindo normas sociais e éticas que afectam todos os aspectos da vida, desde o amor altruísta ao comércio e à actividade sexual. As pessoas são encorajadas a devotarem-se às necessidades dos outros.

[editar] Religião

Uma pessoa considera a própria religião como um meme ou, mais exatamente, um grupo de memes associados - um memeplexo. Certos movimentos cristãos fundamentalistas são notáveis por apenas agirem para aumentar os seus próprios números. Os movimentos em questão devotam quase 100% do seu tempo à actividade evangélica, não servindo a qualquer outro propósito. Isto possibilita que sejam considerados simplesmente como um vírus auto-centrado e, em alguns casos, particularmente eficiente.

[editar] Ligações externas

Sociobiologia na Wikipédia

Sociobiologia | Robert Trivers | Richard Dawkins | W. D. Hamilton | O Gene Egoísta | Edward O. Wilson | Meme | Seleção Natural

[editar] Resistência ao Meme

Karl Popper defende isso nos termos mais fortes possíveis: "o valor de sobrevivência da inteligência é que ela permite que nós extinguamos uma má idéia antes que ela nos extingua."

Resistência à ciência e tecnologia tem sido um meme comum (ou anti-meme ou a-meme) guiando a evolução cultural e cognitiva do homem para longe de caminhos destrutivos - por exemplo os EUA e a URSS armazenaram mas não utilizaram armas nucleares no período da Guerra Fria. A ignorância tem sido considerada como uma virtude em algumas culturas - em particular a ignorância de certas tentações que a cultura acredita que seriam desastrosas se adotadas por muitos indivíduos.

A internet, talvez o maior vetor de memes, parece estar englobando os dois lados do debate. Embora possa parecer verdade, para um observador ingênuo, que nenhum adulto pode impedir que outro adulto que acesse a internet, isso não acontece de fato, baseado em vários valores éticos tentando disseminar a resistência contra hackers ou pornografia.

Principia Cybernetica mantém um léxico de conceitos meméticos, compreendendo uma lista de diferentes tipos de memes. Também faz referência à um ensaido de Jaron Lanier: A ideologia dos totalistas intelectuais cibernéticos que é muito crítico do "meme totalists" que afirma os memes acima dos corpos.

[editar] History of meme concept

The concept of ideas spreading by genetic rules predates the coining of the term; for example, William S. Burroughs asserted that "Language is a virus".

John Laurent in The Journal of Mimetics even suggested that the term meme itself may have come from the work of a little-known German biologist named Richard Semon. In 1904 Semon published Die Mneme (published in English as The Mneme in 1924). His book discussed the cultural transmission of experiences with insights parallel to those of Dawkins. Laurent found the use of the term mneme in The Soul of the White Ant (1927) by Maurice Maeterlinck and highlights its parallels to Dawkin's concept:

Now, the actual phrase that Maeterlinck uses - where he is discussing various theories which attempt to explain `memory' in termites as well as the other `social' insects (ants, bees etc.) - is "engrammata upon the individual mneme" (Maeterlinck, 1927, p.198), and according to my dictionary (Webster's Collegiate), an engram is "a memory trace; specif.: a protoplasmic change in neural tissue hypothesized to account for persistence of memory." For what it is worth, Maeterlinck explains that he obtained his phrase from the "German philosopher" Richard Semon.[2]

Laurent suggests that the etymological roots of the term meme may come from mimneskesthai, the Greek term for memory rather than the more commonly accepted root of mimeisthai, or to imitate.

Everett Rogers pioneered Diffusion of innovations theory, explaining how and why people adopt new ideas. Rogers was influenced by Gabriel Tarde, who set out "laws of imitation" that explained how people decided whether to imitate behaviour. Francis Heylighen of the Center Leo Apostel for Interdisciplinary Studies has come up with what he called Memetic Selection Criteria. These criteria opened the way to a specialized field of applied memetics to find out if these selection criteria could stand the test of quantitative analyses. In 2003 these tests were carried out by Klaas Chielens in a Masters thesis project on the testability of the selection criteria.

[editar] References

[editar] Ver também

[editar] Ligações externas

Obtido em ""

Categorias: Cultura | Comunicação | Ciência | Psicologia | Sociobiologia | Memética


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa

Um conceito é uma entidade psíquica abstrata e universal que serve para designar uma categoria ou classe de entidades, eventos ou relações.

Um conceito é o elemento de uma proposição como uma palavra é o elemento de uma sentença. Conceitos são abstratos porque omitem as diferenças entre as coisas em sua extensão (semântica), tratando-as como se fossem idênticas e substantivas. Conceitos são universais ao se aplicarem igualmente a todas as coisas em sua extensão.

Conceitos são portadores de significado. Um único conceito pode ser expresso em qualquer número de linguagens. O conceito cão pode ser expresso como Hund em alemão, hond em Afrikaans, dog em inglês, perro em castelhano, gos em catalão, hundo em esperanto, txakur na língua basca, chien em francês, can em galego, cane em italiano, canis em latim, inu em japonês etc. O fato de que conceitos são, de uma certa forma, independentes das linguagens torna a tradução possível; palavras em várias línguas "querem dizer" o mesmo porque expressam um e o mesmo conceito. Conceito: Autoconhecimento, caminho para o crescimento pessoal, tem atrás de si uma ou muitas idéias.


Definição é um enunciado que delimita um conceito na sua exata extensão e compreensão, de modo unívoco em dado contexto, inteligível para dado background e de modo eficaz para determinada função.

Poderíamos deixar o conceito de definição mais restrito e mais rigoroso para obter definições mais concisas, acrescentando condições como:

  • Necessidade para as partes. Cada parte que compõe a definição deve ser necessária.
  • Suficiência do conjunto. A conjunção das partes é suficiente para delimitar o conceito.
  • Não trivialidade no background dado, quer dizer, não incluir na definição o que se supõe conhecido.
  • Essencialidade para a definição. Exigir que a definição remeta à essência do conceito.

Tais restrições, contudo, são dispensáveis. Podem ou não ser exigidas caso a caso.

Do que se disse podemos concluir:

  • Se um enunciado define X, só define X no contexto. Ele não pode ser ambíguo.
  • Outro enunciado pode igualmente definir X.
  • Não se extrapola o background dado.
  • Uma definição boa para um contexto pode não o ser para outro.
  • Uma definição boa para uma função pode não o ser para outra.

Há diversas maneiras de delimitar um conceito, tais como:

  • Relacionar suas propriedades, dizer o que ele é, de modo absoluto e não comparativo.
  • Mostrar no que ele se diferencia dos demais objetos considerados no contexto.
  • Estabelecer a posição ocupada pelo conceito numa taxonomia para os conceitos do universo considerado.

O modo escolhido deve ser relevante para tornar a definição eficaz ao que se destina.

Uma definição pode ter uma ou mais das seguintes funções:

  • Nomear o conceito, se a definição for nome.
  • Estabelecer o conceito, se é pela definição que ele é tornado público.
  • Fazer conhecer as características do conceito. Nesse caso sua função é a de transmitir um conhecimento.
  • Distinguir o conceito num dado universo.
  • Evidenciar as relações do conceito com outros conceitos do universo do contexto.

Contextualidade de definições: Um enunciado só é definição se for estabelecido o contexto em que se aplica e suposto um background mínimo de quem a usa. 'Animal racional' é uma definição para homem num contexto da zoologia, que pode ter pouco valor num contexto metafísico. Além disso, é necessário que se saiba o que é 'animal' e o que é 'racional'.

Tipos de definição

Nome: É uma palavra ou locução que define um conceito, é definição, e tem com o conceito uma relação simbólica. O nome é signo para o conceito, logo, tem permanência, reprodutibilidade e aceitação.

Definição analítica: É aquela que delimita o conceito relacionando seus atributos, suas propriedades. A forma de uma definição analítica é uma conjunção de proposições.

Definição classificatória: É um tipo de definição analítica que se vale dos critérios de uma taxonomia. O caso particular mais notável é a definição aristotélica, na qual o conceito é definido citando-se o gênero próximo e a diferença específica. Gênero próximo é a classe taxonômica mais restrita a que pertence o conceito e diferença específica, o que o diferencia dentro do gênero essencialmente.

Não se deve confundir definição classificatória com definição dentro da taxonomia. Definir uma classe dentro de uma taxonomia é determinar sua posição dentro da taxonomia, o que pode não ser suficiente para que o receptor delimite o conceito.

Definição por exclusão: É a que diz o que o conceito não é numa classe. Para ser válida, é necessário que o conceito definido seja classe complementar da classe negada.

Equivalência de definições: Duas definições se equivalem quando se referem ao mesmo conceito.

São muito comuns os enunciados que evidenciam equivalências de definição. A equivalência mais praticada é aquela que relaciona o nome a uma definição analítica. Exemplo: 'O homem é um animal racional.'

Definição ostensiva: É uma categoria que diverge em natureza das definições até aqui abordadas. É o ato de fazer conhecer na objetividade a que o nome se refere. Exemplo: 'Uma vaca? Vaca é aquele bicho lá no pasto. Está vendo?'

'Ser' e 'nada' são indefiníveis.


Perífrase: É a citação de um ou outro atributo essencial do conceito. É uma definição analítica incompleta.

Exemplificação: Cita-se um caso de ocorrência do conceito.

Contextual: Aplica-se o conceito a um contexto em que ele se ajusta.

Intuitiva: É uma mera aproximação sem rigor.

O prefixo 'pseudo' não deve ser entendido como pejorativo. As pseudodefinições, para dados contextos são suficientes e práticas.

Definição circular: É o enunciado no qual se define um conceito usando-se o conceito na tentativa de definição. De outro modo, para entender uma definição circular, o conceito definido tem que ser conhecido nos termos em que a definição deveria estar dando a conhecer.

Exemplos: 'Precisão é a delimitação precisa dos limites'.

Não há definição circular quando, por exemplo, define-se o conetivo 'e' enquanto categoria lingüística por meio de um enunciado onde se usa 'e'. Nesse caso, temos a diferença entre uso e menção.

Há um caso especial de definição circular que é aquela em que é necessário o conhecimento de conceitos que formam grupos de mesma raiz conceitual.

Seja o enunciado: 'O estrategista é aquele que se ocupa da estratégia'. Os conceitos delimitados por 'estratégia', 'estratégico', 'estrategista' pertencem a uma mesma raiz conceitual. Se quem lê o enunciado acima sabe a que se refere 'estratégia' e não sabe a que se refere 'estrategista', julgará a definição acima válida. Agora, se o receptor carece do conhecimento da raiz comum aos conceitos, tem-se uma definição circular de 'estrategista'. Esse tipo de definição é típica do dicionário. No dicionário, escolhe-se uma palavra num grupo de mesma raiz. Para essa palavra dá-se uma definição usando referências que não dependem do conhecimento prévio da raiz. As demais palavras do grupo são definidas em função dessa. Se quem usa o dicionário encontra uma definição com este tipo de circularidade terá de buscar a entrada lexical em que esta se rompa. 

Equivalência circular de definições: Quando se pratica uma equivalência de definições, na maioria das vezes, o que se pretende é apresentar uma alternativa a quem recebe o discurso para que este possa delimitar o conceito. Quando se diz: 'Gastrite é uma inflamação do estômago' está-se estabelecendo uma equivalência entre um nome, 'gastrite', e uma definição analítica, 'inflamação do estômago', provavelmente porque nem todos sabem que o nome gastrite define uma inflamação do estômago. Uma equivalência circular, ou circunlóquio, é aquela em que não se agrega a informação nova que o receptor carece. Na equivalência circular ocorre apenas uma mutação cosmética da definição. As informações constantes em cada lado da equivalência são basicamente as mesmas. Não acontece a informação nova.

A utilidade da equivalência de definições: Existe uma falácia que diz que toda equivalência de definições é inútil porque elas se reduzem à fórmula 'A é A', o que não acrescenta nada ao conhecimento. Realmente a redução existe. Quando se diz 'Gastrite é uma inflamação do estômago' está-se praticando uma equivalência que se reduz ao princípio da identidade. Mas dizer que práticas desse tipo são inúteis é um erro, pois nem todos sabem que gastrite é uma inflamação do estômago. A falácia parte da premissa que todos conhecem a natureza das coisas e o significado dos nomes e aceitando-a concluímos que os dicionários e os livros didáticos são inúteis. Hoje, dizer: 'A Terra é um planeta redondo' é uma redundância. No tempo em que se julgava a Terra chata era uma heresia.

A falácia da circularidade da busca dos significados: Consiste em pensar que é impossível conhecer o significado das palavras porque eles são elucidados pela prática de equivalências de definição, como se faz nos dicionários. Quer dizer, o significado de uma palavra é explicado com outras palavras, que são explicadas por outras, até que retornamos à palavra inicial. A falácia existe quando se desconsidera a existência da definição ostensiva, que em algum ponto da cadeia de equivalências de definição se interpõe para tirar o receptor do labirinto de palavras que remetem a outras palavras.

Grupos de definições concatenadas: São um conjunto ordenado de definições e ocorrem geralmente nas teorias científicas e matemáticas.  Um ou mais conceitos costumam ser considerados primários, ou seja, são introduzidos sem definição. A primeira definição do grupo é estabelecida com referências unicamente a conceitos primários. A segunda definição pode se referir a conceitos primários e ao conceito delimitado pela definição l. A definição n pode ser feita com referências a conceitos primários e a quaisquer conceitos delimitados pelas definições precedentes.

Os grupos de definições concatenadas são organizados por background crescente. Geralmente escolhem-se para conceitos primários os mais evidentes e simples, o que não é absolutamente necessário, mas geralmente conveniente.

Outros casos particulares

Definição extensiva: ocorre quando são todos os tipos possíveis do definido. Por exemplo: 'Europeu é o inglês, o francês, o alemão, o italiano, etc.'

Definição compreensiva: quando os atributos genéricos do definido são mencionados. Ex.: 'Europeu é o nascido na Europa'.

Definição essencial: quando são citadas as características essenciais do definido.

Definição recursiva: usada para definir o elemento n genérico de uma seqüência ordenada. Define-se o elemento n remetendo ao elemento de ordem imediatamente inferior ou superior, conforme o caso, para o qual também serve a definição recursiva. Um elemento se presta à definição do elemento seguinte ou do antecessor formando uma cadeia de definições até atingir o primeiro ou o último elemento da série quando, então, pela própria lógica da definição recursiva, atinge-se uma condição de encerramento do procedimento. Um exemplo disso é o modo como definimos  nível taxonômico  neste site.

Definição de significado de signos: Ao se perguntar 'O que é um carro?' e 'O que significa 'carro'?' no primeiro caso está sendo pedida uma definição conceitual e no segundo caso, uma definição de significado.

Para responder à segunda pergunta, pode-se dizer: 'Carro é um automóvel', ou seja, praticarmos uma equivalência de significados, também chamada sinonímia, quando praticada entre nomes. Com uma resposta assim quem perguntou pode ter enriquecido o seu conhecimento sobre o léxico do português, mas não acrescentou nada ao seu conhecimento sobre as máquinas, que são chamadas de 'carros' e também de 'automóveis'.

Numa equivalência de definições de conceito duas definições são pertinentes ao mesmo conceito e numa equivalência de significados, dois signos designam o mesmo conceito.

Há casos em que a equivalência de significados se confunde com a de conceitos. Não há como dizer se na frase 'Carro é um veículo motorizado de quatro rodas' há uma equivalência de significados ou de conceitos, pois ambas são formalmente idênticas.

A sinonímia costuma ser usada mais como equivalência de significados do que como equivalência de conceitos.

Não é para todos os enunciados que o estabelecimento da equivalência de significado é simples como no acima citado.

As palavras gramaticais, como conectivos, artigos e pronomes, por exemplo, em geral não oferecem meios de equivalência por sinonímia. Das interjeições pode-se dizer que não significam, mas que expressam estados emocionais. Das frases cerimoniais e protocolares pode-se dizer que não significam como as palavras lexicais, mas que têm função social em dadas situações.

Então, como se pode responder à pergunta 'O que quer dizer 'e'?' O conectivo 'e' não tem sinônimos no português. Também não há nenhum objeto relacionado ao signo 'e' como existe um objeto relacionado com o signo 'carro'. No dicionário encontraremos na entrada 'e': 'conjunção que representa operação lógica de conjunção entre termos sintáticos, etc.' O que o dicionário faz nesse caso é dar uma equivalência de conceitos, em vez de uma equivalência de significados. O dicionário supõe que 'e' está entendido como signo, logo como conceito e propõe a equivalência com uma definição analítica para uma categoria lingüística.

Uma outra solução que o dicionário adota é a de definição contextual, que aqui consideramos uma pseudodefinição. Vários contextos típicos do uso do 'e' são apresentados.

Finalmente, é bom lembrar que quando se estabelece a equivalência de significado entre 'carro' e 'automóvel' esta equivalência se limita à referência. Não estão sendo considerados os aspectos conotativos de cada signo, o que rompe com a sinonímia se for exigida total similaridade entre os signos.